Questões frequentes

O que é a Síndrome de Asperger?

A Síndrome de Asperger pode ser definida como uma perturbação neurocomportamental de base genética, incluída no espetro do autismo, com critérios de diagnóstico específicos.
Esta disfunção manifesta-se sobretudo por alterações na interação social, na comunicação e no comportamento.

Quais os sinais de alerta?

Não obstante ser imprescindível uma consulta médica especializada ( pediatria de desenvolvimento, Neuropediatria ou pedopsiquiatria) para que seja feito o diagnóstico, existem algumas caraterísticas e sinais que podem constituir um alerta, para os quais se deve estar atento:
  • Atraso significativo na linguagem;
  • Linguagem ou comunicação, verbal ou não verbal, pobres;
  • Linguagem pedante, caraterísticas peculiares no ritmo e entoação, prosódia e ecolalias;
  • Interpretação literal dos enunciados;
  • Dificuldade no pensamento abstrato e dos conceitos;
  • Dificuldade no relacionamento social, designadamente na interação com os seus pares;
  • Dificuldades nas regras sociais;
  • Dificuldade em entender e expressar emoções;
  • Comportamentos social e emocional desajustados;
  • Jogo simbólico e atividade imaginativa pobres ou inexistentes;
  • Número limitado de interesses;
  • Obsessão por determinados temas;
  • Comportamentos repetitivos ou rotineiros;
  • Dificuldade na adaptação a alterações repentinas das rotinas;
  • Resistência à mudança;
  • Atitudes consideradas bizarras e excêntricas;
  • Atraso no desenvolvimento motor ou falta de coordenação motora;
  • Dificuldade na motricidade fina;
  • Hipersensibilidade sensorial a ruídos, cheiros, sabores, texturas, luzes, etc.;
  • Baixo nível de tolerância à frustração.

Quais as caraterísticas mais comuns?

Entre as características mais comuns quer sejam crianças, jovens ou adultos, podemos destacar:
  • Dificuldade na interação social;
  • Dificuldade na comunicação verbal e não verbal;
  • Interpretação literal da linguagem;
  • Dificuldade na empatia;
  • Comportamentos rotineiros ou repetitivos;
  • Interesses limitados;
  • Peculiaridades do discurso e da linguagem;
  • Hipersensibilidade aos estímulos sensoriais;
  • Descoordenação motora.

Os sinais de alerta são iguais em rapazes e raparigas?

Os sinais de alerta são iguais para ambos os sexos no entanto nas raparigas são mais subtis e são muitas vezes “disfarçados” pela sua condição feminina, onde o fato de ser tímida e discreta é uma qualidade.

Como diagnosticar?

Perante alguns dos sinais de alerta, é aconselhável que a criança/jovem seja observada numa consulta especializada: pediatria de desenvolvimento, Neuropediatria ou pedopsiquiatria, para que possa ser feita uma avaliação global das suas características, a nível físico e psicológico.
O diagnóstico precoce é muito importante, pois poder-se-á propor uma intervenção imediata e direta sobre as áreas especificas nas quais a criança apresenta dificuldades, estabelecendo um acompanhamento adequado e os recursos necessários a que têm direito, de forma a promover ao máximo as suas potencialidades, qua não raras as vezes se revelam surpreendentes.
O diagnóstico é, ainda, importante na medida em que se forem encontradas outras perturbações do desenvolvimento associadas à Síndrome de Asperger, como por exemplo hiperatividade e défice de atenção, possibilita uma intervenção, também, a esse nível.

Existe tratamento?

Não existe cura, mas existe tratamento para a Síndrome de Asperger, enquadrada nas Perturbações do Espectro do Autismo (PEA).

No caso de co-existir outro diagnóstico, como sejam a hiperatividade ou défice de atenção, poderá haver necessidade de medicação.
O que deve acontecer é uma intervenção precoce, o mais cedo possível, tendo em conta os sinais de alerta que se detetem na criança. Desta forma ela poderá ser acompanhada e ajudada a contornar determinadas características e muitas vezes ultrapassá-las.
Quando a intervenção é tardia, por vezes torna-se difícil superá-las, resultando daí a inflexibilidade característica de pessoas com Síndrome de Asperger, nomeadamente no campo das competências sociais.
Intervir o mais cedo possível, tentar um programa de intervenção o mais objetivo e direcionado para a criança em questão é sem dúvida o melhor tratamento.
Importante também é ter presente que cada criança é única e individualizada e que não existe um “pacote” de soluções, devendo a intervenção ser personalizada e adaptada a cada criança.

Quem Somos

A APSA – Associação Portuguesa de Síndrome de Asperger, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), sem fins lucrativos, que nasceu em Lisboa, a 7 de Novembro de 2003, por vontade de um grupo de pais. Assumimos como Missão: Promover o apoio e a integração social das pessoas com Síndrome de Asperger (SA), favorecendo as condições para uma vida autónoma e mais digna.

Newsletter

Receba todas as novidades por e-mail. Clique aqui para subscrever.

Eventos

Outubro 2017
Se Te Qu Qu Se Sa Do
25 26 27 28 29 30 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5